A importância da redundância no data center

A importância da redundância no data center
Comentários: 0

Estamos cada vez mais dependentes dos recursos de TI, pelo que a segurança e a continuidade dos negócios são uma prioridade e, por isso, a redundância é cada vez mais utilizada e valorizada. Um data center parado pode causar prejuízos de milhões de euros por hora, deixando milhões de utilizadores sem acesso à rede e bloqueando o mundo digital. Esta informação é forte o suficiente para nos mostrar que é fundamental ter um data center com alta disponibilidade e “à prova de falha”.

O que é redundância?

A redundância dos dados é o método ao qual as empresas recorrem para garantirem a continuidade do seu serviço e ausência de perda de informação. Ao falarmos em redundância, de imediato pensamos em backups. No entanto, existem outros componentes que podem e devem ser redundantes, pois são igualmente importantes quando é necessário alcançar a máxima disponibilidade (que é algo que todas as empresas procuram alcançar atualmente). Aliás, disponibilidade e segurança são os requisitos críticos para avaliar a qualidade de um data center. De forma simples, podemos dizer que redundância é a duplicação dos elementos mais importantes que compõem um data center.

Avaliando o data center

A classificação Tier estabelece os níveis de operação do data center, isto é, indica o quão preparado está o data center para evitar problemas de infraestrutura que podem comprometer a segurança das informações e a conectividade que permite o acesso contínuo às informações.

Este modelo de avaliação tem como função comparar a funcionalidade, capacidade e disponibilidade do data center. Quanto maior é a classificação, maior será a redundância da infraestrutura e menor a probabilidade de uma paragem.

  • Data center Tier I: este tipo de data center não oferece redundância e tem uma disponibilidade média de 99.67% do tempo, o que significa que num ano existem cerca de 29 horas de inatividade.
  • Data center Tier II: neste caso, obtemos uma redundância parcial em energia e refrigeração, oferecendo alguma agilidade em serviços de manutenção. Neste caso, obtemos uma disponibilidade de 99.75%, representando uma média de 22 horas anuais de paragem.
  • Data center Tier III: nesta classificação, o data center tem redundância para realizar qualquer manutenção preventiva sem que haja necessidade de se suspender nenhum serviço crítico.  Um data center com esta classificação está disponível 99.98% do tempo e tem 72 horas de proteção contra interrupções de energia. Num ano apenas existe 1.6 horas de paragem.
  • Data center Tier IV: um data center que obtenha esta classificação tem uma tolerância a falhas elevada e existe redundância total a nível de infraestruturas elétricas, de climatização e de rede. Este tipo de data center consegue ultrapassar qualquer cenário de incidentes sem ter que interromper a disponibilidade dos servidores no local. Neste caso, o data center encontra-se disponível 99,99% do tempo e consegue ter 96 horas de proteção em casos de quebra de energia.
Como tornar o data center redundante?

Para que se obtenha total redundância e, consequentemente, maior segurança e total disponibilidade, são necessários ativar alguns mecanismos de proteção:

  • Equipamentos de climatização e de alimentação redundantes e em funcionamento;
  • Geradores de emergência com autonomia em função das necessidades específicas de disponibilidade da infraestrutura;
  • Equipamentos com entradas redundantes de energia;
  • Controlo rigoroso dos sistemas de climatização e refrigeração;
  • Utilizar sistemas de UPS redundantes, online, com capacidade de crescimento tipo n+1, com elementos “hot-swapable”;
  • Utilizar elementos de distribuição de energia redundantes aos vários equipamentos, com capacidade de “hot-plug” na criação e/ou alteração de novos circuitos;
  • Caminhos redundantes para sistemas de energia, e de operadores de telecomunicações;
  • Garantir uma manutenção preventiva cuidada, de forma a antever possíveis problemas na infraestrutura;

Cada empresa possui necessidades diferentes, pelo que é importante referir que ao escolher um data center é necessário avaliar todos os requisitos do negócio para que seja feita a escolha mais adequada. A construção de um data center não é standard e implica o desenho de uma solução que se adequa às necessidades reais do cliente. Escolher um parceiro com experiência consolidada no desenho e implementação de soluções de data center é a garantia de que a sua infraestrutura irá sempre acompanhar a evolução do seu negócio. Só com profissionais qualificados é possível responder em tempo útil aos desafios que a transformação do data center traz para as organizações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *